Quem somos?

Somos uma iniciativa de acolhimento e cuidado aos chamados “desigrejados”.

Assim como o Apóstolo Paulo escreveu cartas cujos títulos eram “Aos Gálatas”, “Aos Romanos”, “Aos Efésios”, deixando evidente a quem os escritos estavam endereçados, “Aos Desigrejados” é uma iniciativa que deixa explícita a vontade de nos comunicar com os “desigrejados” Portanto, somos uma iniciativa destinada a se relacionar com os “desigrejados”.

Entendemos que o termo “desigrejado” [unchurched] é problemático e inadequado. Não concordamos com ele, pois nós somos a Igreja e não há como sair dela. No entanto, esse é o termo utilizado para designar as pessoas que se afastaram das instituições religiosas.

O termo foi mantido, pois a tentativa de substituição poderia fazer com que não houvesse o entendimento a respeito de quem estaríamos falando. Trata-se de uma convenção social, um acordo tácito, não discutimos o porquê de cadeira se chamar cadeira, também não vamos disputar um novo termo mais adequado, apesar de algumas tentativas já existentes, como “destemplário”, por exemplo. O termo “desigrejado” estará sempre entre aspas por esse motivo. É um conceito genérico e muito amplo. Ao falar “desigrejados” não nos damos conta da diversidade contida nesse imenso movimento.

Não somos um ministério vinculado a alguma denominação ou instituição religiosa, tampouco um grupo institucional disfarçado para tentar trazer os “desigrejados” de volta aos templos. Esse não é o nosso intuito. Somos livres de amarras denominacionais e templárias. No entanto, não apregoamos uma guerra aos templos. Temos nossas críticas sinceras ao sistema religioso vigente, contudo, entendemos que algumas pessoas poderão reencontrar o seu caminho frequentando igrejas institucionais que tenham um ambiente saudável. Apesar de acreditarmos que ambientes institucionais com essas características sejam raros nos dias de hoje, eles existem.

Aos que não desejarem mais fazer parte de alguma igreja, apresentamos duas boas alternativas, para que ninguém venha andar sozinho (o que não recomendamos):

1) procurar um grupo que se encontram em lares ou locais públicos para partilhar a fé e o amor. Reuniões singelas do evangelho, cristocêntricas, sem hierarquia, de caráter horizontal e abertas ao diálogo com todos os que participam, ou seja, todos tem voz.

2) Iniciar na sua casa ou, em outro local na região onde você mora, pequenos grupos que se reúnam para orar, estudar a bíblia e compartilhar experiências.

Estamos criando uma rede nacional de grupos que se encontram para partilhar a fé em Jesus. Nesse sentido, se você está procurando algum grupo para se aproximar, podemos servir de agente facilitador.

Entendemos que a comunhão é muito importante. A orientação que temos é de não deixar de congregar (Hb. 10:25). Infelizmente muitas pessoas entendem que congregar é igual a ir à igreja. Contudo, o conceito de congregar é muito mais abrangente. Você pode congregar em qualquer lugar.

“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mateus 18:20)

Os primeiros cristãos costumavam congregar em casas. Repare que esse movimento de igrejas orgânicas ou igrejas em lares não é nada novo.

“As igrejas da província da Ásia vos enviam saudações. Áquila e Priscila vos cumprimentam fraternalmente no Senhor, assim como a igreja que se reúne na casa deles.” (1 Coríntios 16.19)

“Saudai aos irmãos que estão em Laodicéia e a Ninfa e à igreja que está em sua casa.” (Colossenses 4:15)

“E à nossa amada Áfia, e a Arquipo, nosso camarada, e à igreja que está em tua casa:” (Filemom 1:2)

Ficou com alguma dúvida?

Disponibilizamos um endereço de e-mail para que você entre em contato conosco:

  1. Caso você precise de atendimento, orientação ou ajuda.
  2. Caso você esteja disposto a colaborar com o nosso trabalho.

E-mail: aosdesigrejados@outlook.com